Grupo Cidade
Grupo Cidade
Juninho Pernambucano se afastou de familiares e amigos por apoiarem Bolsonaro em 2018


Foto: Divulgação

O ex-jogador Juninho Pernambucano, ídolo do Vasco da Gama e do Lyon, concedeu uma polêmica entrevista ao jornal britânico The Guardian, onde fez críticas a Jair Bolsonaro e afirmou ter parado de falar com 80% dos familiares e amigos que apoiaram o atual Presidente em 2018.

"Bolsonaro é um filhote do WhatsApp e das fake news. As pessoas que apoiavam Bolsonaro eram maioria, e foi minha decisão me afastar delas. O establishment no Brasil não tem empatia e quer que nós não tenhamos também. A elite não entende o tamanho das desigualdades financeiras no País, que, se aumentarem, causarão violência. Estamos assistindo isso", destacou.

O ex-atleta também analisou a gestão nacional na área de saúde. “Tudo errado. Sinto uma profunda tristeza. Eu sou brasileiro, sei que somos um país pobre e nosso pessoal precisa trabalhar, mas isso (isolamento) é uma questão de saúde. Se tivéssemos um lockdown, poderíamos estar perto do fim disso, mas não", disse.

Por fim, ao refletir sobre a morte de George Floyd nos Estados Unidos, Juninho reiterou a existência do racismo estrutural no Brasil. "Como foi possível uma criança de oito anos ser baleada pela polícia como aconteceu no ano passado no Complexo do Alemão? Como é possível viver depois disso? Inacreditável", concluiu, referindo-se ao caso da garota Ághata Felix.

COMENTÁRIOS